O que os advogados devem fazer para driblar a crise?

A crise econômica está aí. Pior: somada à interminável crise política, parece que não vai embora tão cedo. Em meio a esse cenário, cabe ao advogado, seja ele autônomo ou proprietário/funcionário de um escritório, se preparar.

É fundamental ser estratégico ao direcionar as ações. Para enfrentar momentos de incertezas como esse é essencial cortar gastos, além de encontrar formas mais assertivas de se relacionar com parceiros e clientes.

Como os escritórios de Advocacia devem se comportar na crise?

Atendimento e Gestão do Escritório

É preciso estreitar o relacionamento com os clientes. Mantenha-os sempre informados das ações e esforços que estão sendo feitos em benefício de seus interesses

O modelo de negócio do escritório de Advocacia também tem que mudar. Ou melhor: se reinventar. Adotar uma gestão cada vez mais profissional da organização, valendo-se de um dos dois conceitos: horizontal ou vertical.

É importante investir também em tecnologia e estrutura back-office que ajudam na produtividade, e ainda reduzem os gastos excessivos.

Por falar em redução de gastos, corte os supérfluos e combata o desperdício, sobretudo de canetas e papéis personalizados.

Precificação e Honorários

Em relação à precificação de serviços e honorários, é preciso pensar em formas alternativas de cobranças.

No Brasil, os escritórios de advocacia corporativos seguem os padrões americanos com algumas pequenas variações. Os grandes cobram honorários por hora e a maioria pratica a cobrança de valores fixos, principalmente para processos, com alguma flexibilidade e percentual de sucesso. Já os escritórios boutiques, altamente especializados, efetuam a cobrança de acordo com a complexidade dos casos.

Todos eles, entretanto, usam a taxa horária de seus integrantes com base para suas estimativas de valores, sem se preocupar muito com a eficiência ou a produtividade.

Com a eclosão da crise de 2008, os Estados Unidos se viram obrigados a ajustar o preço dos honorários. O mesmo parece acontecer por aqui. Seria, portanto, interessante aprender com a experiência vivida pelos escritórios americanos, aproveitar o que foi positivo, adaptando, é claro, à realidade brasileira. Talvez seja a hora de valorizar mais a eficiência e a produtividade.

Salários e Pró-Labore

Quando o assunto são os sócios, talvez seja necessário repensar a estrutura de remuneração.
Entre os funcionários, vale a pena estudar recompensas pela produtividade, além de ter políticas claras de atração e retenção de talentos.

E os advogados autônomos?

Planejamento

Fazer um novo planejamento financeiro tanto para a vida profissional quanto para a pessoal é fundamental nesse contexto. Faça uma lista de gastos e afaste aqueles que sejam dispensáveis. É o momento de cortar custos, e investir em sua qualificação profissional.

Clientes

A fidelização do cliente também é essencial. Procure reforçar a comunicação, deixando claro o andamento e a evolução de seus processos.
Manter um cliente bem informado e demonstrar todo o esforço feito em seu caso faz com que ele se sinta ainda mais seguro ao pagar um profissional como você. Principalmente em um cenário de crise econômica.

Os recém-formados

Se você se encaixa nesse grupo, vale a pena encarar o desafio de trabalhar em um escritório de Advocacia, mesmo com um salário não tão atraente assim. É uma boa oportunidade de aprender mais, fazer a diferença se mostrando sempre proativo, e começar a construir uma carreira sólida.
Os jovens profissionais advogados que ainda querem se arriscar na carreira independente devem ser criativos e corajosos.
Está caro alugar um escritório? Improvise um espaço em sua casa, ou procure um coworking, uma ótima pedida para construir uma boa rede de relacionamentos.

As melhores áreas para os advogados nesse período de crise

Alguns nichos do Direito têm sobressaído com a crise. O carro-chefe é a área de Recuperação Judicial, Reestruturação de Dívidas e Falência.

Enquanto empresas enxugam equipes e a Serasa divulga recordes de pedidos de recuperação judicial no Brasil, os advogados especialistas nesse nicho só vêem o volume de trabalho aumentar.

As áreas de Compliance, Trabalhista e Tributária também têm tido um aumento da demanda. Vale a pena investir.

A crise econômica, de fato, limita as possibilidades de expansão tanto profissional quanto financeira. Isso não deve ser causa de desânimo. Muito pelo contrário, pode ser encarada como uma possibilidade de se reinventar e criar novas estratégias de atuação que certamente contribuirão – e muito – para o enriquecimento de sua experiência profissional.

O que os advogados devem fazer para driblar a crise?
5 (100%) 1 voto(s)

2017-12-18T18:19:53+00:00 agosto 9th, 2017|Advocacia|0 Comentários

Deixe um comentário (não realizamos pesquisas de processos para pessoas físicas ou prestamos serviços de consultoria jurídica)